Perdeu a tão desejada vaga, e agora?

Chega um momento na carreira de todos nós que por mais que estejamos satisfeitos com a posição que temos, o cargo que ocupamos e as atividades que desempenhamos, desejamos algo maior. Penso que não ná nenhum problema nisso, afinal, evoluir é preciso.

Você deseja expandir seus horizontes, fazer parte de uma grande empresa, um local onde possa crescer não apenas verticalmente, mas também de forma horizontal, ganhando novas responsabilidades, descobrindo novas aptidões. Deseja ter desafios e conquistas maiores, reconhecimento.

Então de repente você se vê bem próximo de conseguir isso. Participa de um longo processo seletivo, entrevistas online, entrevistas presenciais, algumas em português, outras em inglês. O tempo vai passando e a ansiedade só aumenta à medida que é convidado para uma nova entrevista, afinal, você fica com a impressão que está indo bem.

Passam-se alguns dias, você é informado que está no processo final. Nesse ponto, você passa a monitorar seu email 24 horas à espera de uma resposta. Até que um dia a resposta vem mas não é exatamente a resposta que você queria ler. E agora?

Já passei por isso algumas vezes e posso afirmar, é algo angustiante, difícil de aceitar e compreender.

Então o que fazer?

As atitudes são mais importantes que os fatos. Neste momento ficar chateado será normal, mas o que não pode acontecer é deixar isto te dominar.

Assuma o controle! Peça um feedback e tente identificar os pontos onde você não atendeu os requisitos necessários, isto vai te ajudar a traçar os pontos à melhorar. Tenha dedicação, vá até seu último limite e dê o melhor de sí mesmo para melhorar estes pontos. Mantenha seu foco nisso e não desista. A persistência é o menor caminho do êxito!

  • Fala meu camarada. É isso aí, concordo contigo.
    Se o objetivo esta claro dentro da gente, desistir não é opcional.

    Apenas gostaria de acrescentar que feedbacks de processos seletivos são importantes, mas refletem apenas a visão de alguém ou de alguma instituição com pouquíssimo conhecimento sobre você e seu trabalho, ou seja, algo muuuiiito superficial. Não se deixe abater jamais e encare críticas como possíveis melhorias em sua comunicação, mas nunca como algo que atinja a sua verdadeira essência. Lembre-se que instituições buscam padrões, para diluir seus riscos de contratação, apenas isso. As vezes até nos enquadramos nesses padrões, mas não sabemos comunicar ao interlocutor o que ele deseja ouvir.

    No mais, siga seu bom trabalho compartilhando conhecimento e sendo o profissional que tem sido. Buscando sempre a excelência nas suas atividades.

    Obs do amigo: E se no final de tudo vc nao estiver satisfeito com nenhuma empresa, tem total capacidade de criar o seu próprio negócio. Eu sou fã dessa abordagem, mas isso vc já sabe 🙂

    • Ricardo Martins

      Obrigado pelas palavras meu amigo.

  • Passei exatamente por isso há alguns dias. É realmente chato receber o e-mail negativo, mas o mais importante realmente é manter o controle e buscar se superar para as próximas tentativas.

  • Passei por isso há uns 2-3 meses… a vaga foi “congelada”. Não foi um deny, mas fiquei mega chateado!!!

  • Pingback: Como é trabalhar onde tantos gostariam? - Ricardo Martins()

  • Pingback: Como tem sido meu primeiro ano trabalhando na Microsoft – Ricardo Martins()

  • Ricardo, nesse seu exemplo, você chegou a pedir feedback após sua rejeição? Nestes processos é complicado termos acesso as pessoas que participam de tal forma a ter uma abertura para pedir o feedback. No seu caso, poderia compartilhar como foi o processo?

    • Ricardo Martins

      Oi Michel, sim eu pedi feedback.

      Realmente é difícil ter acesso às pessoas, mas nesta situação recorro ao Linkedin 😀

  • Pingback: Meu primeiro ano na Microsoft - Ricardo Martins()

  • Mauricio Harley

    Poquíssimos hiring managers dão um feedback real.